Sob uma fina chuva, mais de 35 mil trabalhadores marcharam sobre Brasília contra a crise financeira, pela manutenção dos empregos dos trabalhadores e a renda das famílias. A 5ª Marcha da Classe Trabalhadora “Pelo Desenvolvimento e Valorização do Trabalho” sob a coordenação das centrais sindicais apresentou à sociedade propostas de combate à crise financeira internacional, que começa a contaminar a economia nacional.

O Sintropab esteve representado na 5ª Marcha, pelos Diretores Douglas Roberto Antonio Dias e Alex Sandro Vieira, também participarão os dirigentes sindicais Sérgio Paulo Kampmann e Lourenço Johann do Sintruv, Idenildo Dias Alves e Odair Curti do Sinttrol, representando os rodoviários do Paraná, e aproximadamente 80 sindicalistas da NSCT – Nova Central Sindical de Trabalhadores do Paraná. “Para Alex chamou atenção a vontade dos trabalhadores na defesa de seus direitos e por novas conquistas para a classe como a redução de jornada e a ratificação da convenção 158 da OIT que proíbe a demissão de um trabalhador, a menos que exista uma causa justificada.

Segundo Douglas a marcha é uma demonstração de que os trabalhadores encontram -se organizados e não estão satisfeitos com o cenário atual, especialmente o econômico. O trabalhador sempre pagau a conta pelos erros do capitalismo especulativo e produtivo. O estado tende a tirar dinheiro da educação, saúde e geração de empregos entre outras áreas, para repassar aos banqueiros e grandes empresas. Muitas vezes em situações como a atual, os grandes recebem o dinheiro do estado e em muitos casos ganham anistia da divida. Os trabalhadores não aceitam pagar outra vez a conta pelos erros desse modelo neo – liberal falido, que quando estava lucrando não quis dividir e seus lucros com o estado e os trabalhadores, eram independentes e agora querem a ajuda do estado ou seja o nosso dinheiro.

Agenda dos trabalhadores

Os dirigentes sindicais defenderam a redução da jornada de trabalho, o fim do fator previdenciário, a reforma agrária, o trabalho decente, a correção da tabela de contribuição ao Imposto de Renda, redução dos juros e superávit primário, ratificação das convenções 151 e 158 da Organização Internacional do Trabalho, políticas públicas geradoras de emprego e renda e igualdade na remuneração entre homens e mulheres. O eixo da agenda do movimento tem como principal reivindicação a manutenção do emprego como alternativa para enfrentar a crise financeira internacional. Ao chegar ao gramado do Congresso Nacional, depois da marcha que durou cerca de oito horas, cuja concentração começou às 5 horas da manhã, os presidentes das centrais sindicais – CGTB, CTB, Força Sindical, NCST, CUT e UGT – falaram aos manifestantes e reforçaram as reivindicações dos trabalhadores pela redução da jornada de trabalho, o fim do fator previdenciário e a ratificação das convenções 151 e 158 da OIT. Ao final da “5ª Marcha”, os líderes das centrais sindicais foram recebidos pelos presidentes da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia, do Senado, Garibaldi Alves, e pelo ministro Luiz Dulci, chefe da secretária-geral da Presidência da República.

Rodoviarios participam da V Marcha:

Photobucket

Alex Sandro Vieira SINTROPAB, Sérgio Paulo Kampmann e Lourenço Johann do SINTRUV, Douglas Roberto Antonio Dias – SINTROPAB, Odair Curti e Idenildo Dias Alves do SINTTROL Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4

Photobucket - Video and Image Hosting

Alex Sandro Vieira e Douglas Roberto Antonio Dias – SINTROPAB

Confira as fotos da mobilização: